Florbela Espanca

Florbela Espanca nasceu em Vila Viçosa em 1894.
Teve uma vida repleta de sofrimento e de lutas interiores e por isso suicida-se aos 36 anos.
A morte prematura da mãe, vários casamentos falhados e não conseguir ter filhos, foram aspetos determinantes no curso da sua vida e da sua personalidade triste e depressiva.
Considerada uma mulher à frente do seu tempo, vai buscar às suas inquietações e experiências pessoais, inspiração para a sua obra poética em que os temas mais abordados são a solidão, a tristeza, a saudade, a sedução, o desejo e a morte.

De Joelhos
“Bendita seja a Mãe que te gerou.”
Bendito o leite que te fez crescer
Bendito o berço aonde te embalou
A tua ama, pra te adormecer!

Bendita essa canção que acalentou
Da tua vida o doce alvorecer…
Bendita seja a Lua, que inundou
De luz, a Terra, só para te ver…

Benditos sejam todos que te amarem,
As que em volta de ti ajoelharem
Numa grande paixão fervente e louca!

E se mais que eu, um dia, te quiser
Alguém, bendita seja essa Mulher,
Bendito seja o beijo dessa boca!!

Florbela Espanca, in “Livro de Mágoas”

Seja sociável, partilhe !

    Deixar uma resposta