D. Dinis

D. DinisVida e Obra

D. Dinis (1279/1325) foi rei de Portugal entre 1279 e 1325.
Ficou conhecido como o Lavrador, pelo impulso dado à agricultura e pela plantação do pinhal de Leiria e como o Rei-Poeta. Contribuiu ativamente para o desenvolvimento da poesia trovadoresca, deixando um legado significativo de Cantigas de Amor, de Amigo e de Maldizer publicadas nos Cancioneiros Galaico-Portugueses.
Como poeta, D. Dinis é, entre os trovadores dos Cancioneiros, o que melhor representa a poesia trovadoresca, da qual nos legou uma espécie de síntese, tendo cultivado todos os géneros.


Leitura Escultórica

Escultura
A escultura foi pensada como um todo que integra o ajardinamento e é composta por peças em bronze.

Ajardinamento
Um muro verde isolado o fundo do terreno das casas.
Zona de pinhal envolvente.
Clareira com relva até ao caminho de pedestres.
Na clareira junto aos pinheiros, zona com uma roseira vermelha, alguns vegetais e flores brancas e pequenas.

Peças de Bronze
Troncos de pinheiro (moldes em silicone de troncos verdadeiros).
Altura – 2,40 m
Diâmetro – 20 a 30 cm

Leitura Poética
Referenciar D. Dinis como poeta é também referenciar o Rei extraordinário que ele foi. Talvez o ser poeta, essa inquietação, esse pano de fundo, essa diferença tenha feito dele o Rei da mudança, depois dos conquistadores da terra da consolidação.
D. Dinis pensa Portugal, tem uma visão englobante e unificadora. Olha para “dentro”, para a terra; planta, estrutura, faz leis, perspetiva o futuro.
O ecrã de vidro transparente é referência a essa visão, ao pensamento poético, à porta a abrir para uma outra expansão futura,
O “plantador de naves a haver”. Quem melhor que um poeta para definir outro poeta.
Os troncos de pinheiro em bronze são a memória desse pinhal.
E rosas, as rosas do milagre, que também fizeram parte da sua complexa personalidade.

Escultor
Graça Costa Cabral

Mecenas
Tetra Pak Portugal, SA

Pétala 1

Seja sociável, partilhe !

    Deixar uma resposta