Manuel Alegre

Manuel AlegreVida e Obra

Manuel Alegre de Melo Duarte nasceu a 12 de Maio de 1936, em Águeda. Nesta cidade faz a instrução primária, concluindo, posteriormente, no Porto os estudos secundários. Enquanto estudante liceal, no Alexandre Herculano, fundou, com José Augusto Seabra o jornal Prelúdio. Acabado entretanto o liceu, foi estudar para a Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, aproveitando então a sua passagem por aquela escola superior para criar, com outros estudantes universitários, o CITAC – Centro de Iniciação Teatral da Academia de Coimbra – e integrar o TEUC – Teatro de Estudantes da Universidade de Coimbra. Nesta cidade foi ainda atleta internacional de natação, representando a Associação Académica. No mesmo período desempenhou várias funções extraescolares: diretor do jornal académico A Briosa; membro da redação da revista Vértice; colaborador da Via Latina. E firmou-se como um dos mais destacados dirigentes do movimento estudantil da academia coimbrã.
Depois de uma estadia militar em Angola, passou a ter residência fixa em Coimbra. No Verão de 1964, temendo ser novamente alvo de represálias do poder salazarista, partiu para o exílio em França, fixando-se pouco tempo depois em Argel. No exílio prolongado por 10 anos, Alegre teve uma importante intervenção política. As suas obras literárias bebem desta influência, tendo-se revelado como importantes bandeiras de resistência contra o regime tirânico de Salazar. Muitos foram musicados e cantados por autores como Zeca Afonso ou Adriano Correia de Oliveira.

Leitura Escultórica
Escultura
Mármore Branco de Lioz. Imagem caminhando sobre vagas, levando uma nau portuguesa debaixo do braço.

Leitura Poética
Há no seu espaço três caminhos que representam o seu exílio e a utilização da palavra poética como arma de intervenção política. A palavra como condição de mudança, de cidadania participada.

Escultor
Francisco Simões

Consulte a sua obra no catálogo das Bibliotecas Municipais de Oeiras. Clique aqui.

Pétala 54

Seja sociável, partilhe !

    Deixar uma resposta